Blog da Vivian Whiteman

Carminha x Nina, o remix do xadrez em branco e preto em “Avenida Brasil”

Vivian Whiteman

A saga de ''Guerra nas Estrelas'' nos ensinou uma coisa: os bonzinhos vestem branco e cores claras, e os malvados vão de preto e outros tons escuros, certo?  Não segundo as figurinistas de ''Avenida Brasil''.

Bom,  George Lucas e sua equipe seguiram a tradição.  A escuridão,  a noite e suas cores foram identificadas desde tempos muito antigos a sensações de medo, insegurança e às trevas,  no sentido mais ''terror japonês'', mais infernal, do termo.

Já o branco, enfim, dispensa explicações. A ideia de luz, o esclarecimento, o iluminismo,  sobram referências históricas, culturais e artísticas para dar conta das virtudes dos tons claros e luminosos.

Mais, oi, oi, oi, de volta à novela. Carminha, a vilã, veste branco. E bege, pitadinhas de rosa. Nada mais meigo, nada mais límpido.

 

A primeira explicação é a seguinte. Bom, enquanto vilã, Carminha está disfarçada de Jedi, de lado bom da Força. Mas será?

Ok, ela foi bem-sucedida até agora em pagar de boa esposa e de mulher decente, ao menos para o marido e mais uma penca de enganados.  Mas geral sabe que, até certo ponto, Carminha não é flor que se cheire.

O branco e o rosa, numa segunda análise, parecem quase uma provocação. Como é quase uma provocação, um fetiche, uma noiva casar de branco nos dias de hoje. As noivas virgens que me perdoem, mas, gatas, vocês são exceção. Uma exceção que eu pessoalmente não recomendaria, mas, enfim, cada um com suas convicções, respeito.

Viajando um pouco na referência, e o que seria da moda sem a viagem, me lembrei do vestido de casamento da cantora Gwen Stefani. Assinado por John Galliano, vejam que politicamente incorreto em retrospecto… Mas lindo, lindo de morrer.

Branco, com a cauda manchada de rosa, o vermelho diluído… Como quem diz,''bem, o branco está meio manchado de sangue porque…''.   Conhecer no sentido bíblico, vocês sabem…

Mas a Carminha, claro.  Seria mais ou menos óbvio se a lôra se vestisse de preto, de roxo, se fosse uma prima de Cruela DeVil, tipo a Melissa de ''Amor Eterno''?

Carminha é uma vilã debochada.  Seu uniforme de rica boazinha emergente é um falso disfarce, quase uma fantasia de Carnaval, um tapa na cara da sociedade, como são suas ações. É como se ela perguntasse: ''E aí, otários,  hipócritas, até onde vocês vão me deixar ir com essa farsa, até quando vocês vão fingir que não sabem?''.

É aí que entra Nina/Rita, uma mocinha bem específica. Das roupas ao uniforme de empregada, Nina veste preto. Vinho. E vermelho-sangue. Nina vem de Darth Vader, de Império, o lado negro da Força.

Mas, por que, se ela é be boazinha? Bom, boazinha? Ela não é boazinha mesmo. Vingativa, invejosa!!! Magoada e torturadora de mão cheia. Suas intenções e atos, no entanto, são movidos, teoricamente, pelo desejo de justiça. Mas igualar os meios do inimigo justificam os fins da justiça?

Às vezes, sim. Para nos mantermos na ficção, veja Uma Thurman, a Black Mamba de ''Kill Bill''. Ah, ali temos um uso digno de fins violentos para a execução de um plano de justiça.  Na linha legítima defesa, embora não nos termos específicos da lei. A lei, sabemos, às vezes é insuficiente, não é mesmo?

Mas e Nina? Nina que quer os privilégios de dondoca de Carminha? Nina que se acha a heroína, mas cada vez mais quer tomar o lugar da vilã? Nina confusa e cega de ódio. Uau!!!

Nina e seu colarzinho de cozinheira boazinha, do tipo que ama as colheres que pilota. Nina, um verdadeiro urubu de avental.

A mocinha-vilã é de fato um achado da teledramaturgia.

E a relação entre ela e Carminha é ainda melhor e mais rica.

Nina é a redenção de Carminha. É, apesar de tudo,  o alívio, o castigo que toda vilã secreta ou inconscientemente pode desejar. Aquela que sabe de tudo e exige reparação.

Sabe-se lá o que os roteiristas incríveis dessa novela vão arrumar para o final das duas.

Mas essa batalha maluca entre o branco e o preto, o remix do xadrez clássico proposto por essa novela, é de prender a respiração e deve ter um desfecho à altura dramática de  ''Luke, I am your father''.

George Lucas aplaudiria.

Bjs,

VW

#nerrrvosa